The Gifted é a segunda aposta dos
mutantes na televisão pela Marvel

The Gifted – T01E01 – “eXposed”

The Gifted é a nova investida da FOX para trazer os mutantes da Marvel para a televisão (terceira se considerar Geração X, algo que ninguém nunca jamais deve fazer). É uma boa aposta, afinal o universo dos X-Men sempre teve uma complexidade social que outros pedaços do universo Marvel não dependem tanto e é difícil trazer isto à tona dentro do tempo limitado dos filmes. Se Legion foi uma viagem maluca homenageando Kubrick, Pink Floyd e Ken Russell, The Gifted tem aquela pegada de série de ação da FOX como Prison Break e 24 Horas.

Mutantes em Fuga

A série se passa em algum momento não determinado da macarrônica cronologia dos mutantes no cinema. Os X-Men e a Irmandade estão desaparecidos, um programa chamado Sentinel Services captura mutantes perigosos sem devidos processos legais ou garantia de direitos. A última esperança dos detentores do Gene-X é a Resistência Mutante, um grupo de personagens com poderes (aí o Gifted, de The Gifted).

Entra a família Strucker. O patriarca, Reed Strucker (Stephen Moyer) é um promotor público especializado em casos envolvendo mutantes e foi responsável pelo cárcere de muitos.  Seus filhos gêmeos Lauren e Andy (Natalie Alyn Lind e Percy Hynes) são revelados como mutantes e um incidente na escola os coloca na mira da Sentinel. Sem alternativa, ele busca a ajuda da Resistência para proteger a sua família.

Rostos familiares

Um dos maiores problemas com os filmes dos X-Men é o uso preguiçoso dos personagens, muitas vezes jogados na trama sem uma palavra sequer, apenas para fazer volume. De cara conhecemos Pássaro Flamejante (Blair Redford), Polaris (Emma Dumont), Blink (Jamie Chung) e Eclipse (Sean Teale), que no primeiro episódio já apresentam personalidades mais desenvolvidas e interessantes do que 90% dos personagens secundários nos filmes. Os efeitos visuais, a direção e as sequencias de ação não fazem desfeita, mesmo com um orçamento reduzido em relação aos filmes, Bryan Singer dirige o primeiro episódio com a mesma qualidade que seus melhores filmes.

Já no lado da família Strucker, o roteiro explora melhor o gene x como alegoria para diferentes causas sociais envolvendo o preconceito. Quando Andy revela para sua mãe (Amy Acker) que ele é mutante, a relutância em ela aceitar que seu filho é portador do gene remete à famosa cena do Homem de Gelo em X-Men 2. Reed desesperadamente afirmando que ele e sua família tem direitos, enquanto os oficiais da Sentinel apontam armas com uma indiferença violenta para seus filhos, não é muito diferente dos noticiários americanos mostrando as tensões raciais em protestos e passeatas.

Vale a pena?

O primeiro episódio de The Gifted casa muito bem desenvolvimento de personagem, ação e um roteiro que aposta na familiaridade que as pessoas têm com o universo X-Men após tantos filmes. Desta forma, a trama já entra, sem parar para explicar muito o que todos já estão carecas de saber, e garante que o roteiro chegue nos momentos mais interessantes sem perder muito tempo montando a mesa. Com certeza vale a pena para fãs dos mutantes que sentem falta dos temas mais complexos nas adaptações.

The Gifted estreia dia 3 de outubro às 22h30 no Canal FOX.

Até a próxima!

Comentários

ResumoOs gêmeos Strucker se revelam como mutantes e fogem de um programa do governo que pretende captura-los.
4.8
Critérios
Roteiro
Direção
Elenco
Enredo
Observações
  • Até mesmo John Ottman voltou para fazer a trilha sonora (ele fez a trilha de X-Men 2 e 3)
  • As mudanças feitas para os irmãos Strucker foram bem-vindas, é difícil vender uma série onde os protagonistas são gêmeos incestuosos nazistas.
  • Fiquem de olho na participação especial do Stan Lee!
Avaliação dos leitores: 9(1 Voto)
Dê sua nota