A Vida Secreta dos Casais, série criada por Bruna Lombardi,
não sabe o seu próprio gênero

Acompanhamos até o final do ano passado a exibição de A Vida Secreta dos Casais. Uma séria com temática ousada criada por Bruna Lombardi, Kim Ricelli e dirigida por Kim e seu pai Carlos Alberto Riccelli. Com a promessa de ser um thriller dramático com uma investigação política de fundo, a série desaponta em sua entrega, se perde na premissa e poderia ser, facilmente, dividida em duas séries. Uma chamada “A Vida Secreta dos Casais” e outra “Ciber Assalto“. Pelo fato das tramas dramática e a investigativa terem uma fraca conexão, não compreendemos onde que a série queria chegar. E o resultado é confuso.

Sobre o que é A Vida Secreta dos Casais?

Bem dirigida por Kim e Carlos, ambos apresentam takes criativos e sequências de qualidade dignas de produções da HBO, o grande ponto fraco da série está na personagem de Bruna Lombardi. A sexóloga, que beira à ‘super-heroína’ em alguns momentos, está conectada a um ciber assalto de um banco. Um antigo paciente seu é assassinado e, antes disso, ele deixa nas mãos de Sofia (Lombardi) um pen drive com segredos do Banco Andreazzi que se vazados na mídia resultarão em um grande escândalo político.

Ao invés de investirem nesta trama, que é interessante, a série para o tempo todo para mostrar o Tantra, o espaço de terapia sexual que toma conta de quase todos os episódios. Aqui, pacientes ganham espaço na história para tratarem seus problemas com Sofia. Somente dois casos têm alguma conexão com o ciber assalto, os demais atendem claramente as exigências dos criadores da série que queriam, de alguma forma, explorar problemas reais de diversos gêneros sexuais. O que, de novo, até tem seu mérito se a série não tivesse se vendido como um thriller político que usaria das camadas sexuais para expor o poder e a corrupção existente no ambiente das grandes corporações.

Além disso, todos os pacientes de Sofia vangloriam sua eficiência como terapeuta, exaltam que sem seus tratamentos não teriam voltado à uma vida sexualmente ativa e/ou superados suas inseguranças e traumas. E o tempo todo, Sofia fica com aquela cara de paisagem extremamente satisfeita por ser valorizada e amada por seus pacientes. Quase como uma serial killer, Lombardi só entrega duas feições na série inteira: a de “feliz” por seus pacientes precisarem e/ou se resolveram graças ao Tantra ou a de assustada porque alguém ameaçou ela, correu atrás dela, quando está tendo alucinações ou quando reage a pergunta “Sofia, você tomou seus remédios?” exaustivamente repetida por sua sócia Miranda (Virgínia Cavendish). Enquanto isso a mega talentosa Ondina Clais Castilho é apagada na série com uma personagem zero importante.

Houston, we have a problem!

Claramente há um ego extremamente massageado no enredo, talvez o da própria roteirista, talvez o da HBO, não sabemos. O ponto é: O nome da série ‘A Vida Secreta dos Casais‘ não condiz com a proposta da mesma que, para piorar, fica sem resolução após 12 episódios. O clima de “cliffhanger” deixado para uma segunda temporada, ainda não confirmada, não engaja e decepciona.

O fato da série ficar em cima do muro, e trabalhar com diversos núcleos, é outro ponto complicado. O Tantra em si é UM dos núcleos e ele “gira” sozinho e independente do caso principal. Temos a família Andreazza (donos do Banco), os jornalistas Renata (Letícia Colin) e Vicente (Alejandro Claveaux), o Detetive Luis (Carlos Alberto Riccelli) e sua família 100% focados na investigação do Ciber Assalto e o Tantra interrompendo a história para mostrar pessoas com problemas sexuais. É exaustivo. Afinal, de novo, a trama principal que envolve políticos e bancários é MUITO interessante, é bem amarrada (apesar de ficar sem um final definido) e sustentaria o que esperamos de séries da HBO. Sério, quem deixou o Tantra ter tanta relevância assim?

HBO ousou ou errou?

Afirmamos que A Vida Secreta dos Casais foi uma decisão ousada do canal, justamente pelas produções Latino-Americanas da HBO serem de qualidade e saberem contar suas histórias. Recentemente tivemos o sucesso de O Jardim de Bronze, estamos no aguardo da quarta temporada de O Negócio, a terceira de Magnifica 70, O Hipnotizador e Sr. Ávila também tiveram inéditas temporadas e todas as séries, sem exceção, carregam aquele aposentado lema do canal: It’s not TV, It’s HBO… Menos A Vida Secreta dos Casais.

A Freakpop é super fã das produções da HBO, mas realmente não entendemos o que o canal quis com este projeto e não esperamos por uma segunda temporada. A não ser que os roteiristas sejam controladas e os produtores do canal justem o foco da trama. Só para fechar, desde a apresentação inicial do projeto, os criadores afirmaram que haveria uma relação entre os segredos dos casais com a trama de investigação. Estamos esperando por isso ainda.

Você confere A Vida Secreta dos Casais na HBO Go e caso não concordem com a gente, por favor fiquem a vontade para comentar aqui. A expectativa era alta e o resultado é decepcionante.

Küsses,

Comentários

ResumoNão precisamos resumir a trama de novo, né?
2.9
Critérios
Direção
Roteiro
Elenco
Produção e Fotografia
Observações:
  • Letícia Colin precisa urgente voltar para as aulas de atuação.
  • Paulo Gorgulho é um SHOW A PARTE!
  • Camila dos Anjos carrega bons momentos.
  • Alejandro Claveaux faz um personagem que poderia ser muito melhor aproveitado.
  • Ninguém se importa com o Tantra e as cenas das "massagens eróticas" são extremamente desnecessárias.
  • Além de ser protagonista, Bruna Lombardi é narradora dos episódios com observações irrelevantes sobre o trabalho de sexóloga da Sofia. De novo: por que não fizeram duas séries?
Avaliação dos leitores: 0(0 Votos)
Dê sua nota